Dá pra gente ser feliz?

Olá!
Hoje, quero compartilhar pensamentos com você.
Passei no Sala da La e como sempre encontrei um texto inteligente. O assunto? Ter, ou não ter, mais uma página virtual para cuidar, no caso o twitter.
Deixei um comentário para a Laély dizendo que para mim já bastava esse blog porque aqui faço, a cada dia, muitos e queridos amigos, como você.
Trabalhar é preciso e gratificante mas quero mais tempo para fazer o que gosto, nadar, sair pela cidade fotografando, curtir a natureza...e para fazer o que necessito, caminhar,diminuir a ansiedade...
Depois conferi meu email e encontrei esse texto enviado por um amigo, como eu, arquiteto.
O texto expressa muito bem o que sinto e reforça minhas decisões pós aniversário e finalzinho de um ano particularmente difícil.

Confira o texto, abaixo!
"Viver ou juntar dinheiro?  de Max Gehringer
Há determinadas mensagens que, de tão interessante, não precisam nem sequer de comentários. Como esta que recebi recentemente.
Li em uma revista um artigo no qual jovens executivos davam receitas simples e práticas para qualquer um ficar rico. Aprendi, por exemplo, que se tivesse simplesmente deixado de tomar um cafezinho por dia, nos últimos quarenta anos, teria economizado 30mil reais. Se tivesse deixado de comer uma pizza por mês, 12 mil reais. E assim por diante.
Impressionado, peguei um papel e comecei a fazer contas. Para minha surpresa, descobri que hoje poderia estar milionário. Bastaria não ter tomado as caipirinhas que tomei, não ter feito muitas viagens que fiz, não ter comprado algumas das roupas caras que comprei.
Principalmente, não ter desperdiçado meu dinheiro em itens supérfluos e descartáveis.
Ao concluir os cálculos, percebi que hoje poderia ter quase 500 mil reais na minha conta bancária. É claro que não tenho este dinheiro.
Mas, se tivesse, sabe o que este dinheiro me permitiria fazer?
Viajar, comprar roupas caras, me esbaldar em itens supérfluos e descartáveis, comer todas as pizzas que quisesse e tomar cafezinhos à vontade.
Por isso, me sinto muito feliz em ser pobre. Gastei meu dinheiro por prazer e com prazer. E recomendo aos jovens e brilhantes executivos que façam a mesma coisa que fiz. Caso contrário, chegarão aos 61 anos com uma montanha de dinheiro, mas sem ter vivido a vida.
Não eduque seu filho para ser rico, eduque-o para ser feliz. Assim ele saberá o VALOR das coisas e não o seu PREÇO.
Que tal um cafezinho?"

imagens: anjodeluz

Um comentário:

  1. Oi, Sílvia!
    Obrigada pela menção honrosa.
    Sei que o Twitter tem sua função, mas ainda não me adaptei à linguagem dos novos tempos: rápida e em códigos. Sou mais "slow"...
    Falando em modernidades, costumo dizer aos meus meninos que o mundo de hoje se preocupa mais com o "caratê": "o cara ter dinheiro", "o cara ter sucesso"...É nossa obrigação, tentar educá-los para o "caracê": "o cara ser decente", "o cara ser honesto"...O ter, deve ser consequência.
    Abraço!

    ResponderExcluir

Olá, vamos compartilhar ideias? Deixe seu comentário. Adoro falar com você!